2/dez

Tenho sérios problemas com quem tem medo de afeto.
A-FE-TO
afetar-se. Deixar-se afetar. Sentir afeto por outrem. Todas as modalidades das possibilidades de feridas, mas se não há risco, não há vida, experiência… Emoção.

Eu sempre falo o que sinto. Exalo saudades, cultivo anseios e planejamentos. Seja o nível qual for da relação. Sou intensa por natureza. 

Disseram-me que sou peixes com ascendente em escorpião… É mais uma parafernália de complexidades pseudocientificas. Claro que acreditei, com essa minha cara de sonho, no que eu não acredito.

Acredito na amizade que escorreu pelo ralo, a cor de minha pele era demais para o ego de primeira da classe que ela tinha.

Acredito naquela paixão efêmera, de balada… Ele sempre me chama quando conveniente, acredito que serei mais que segunda opção um dia, quem sabe.

Acredito sempre na palavra mal-dita, no riso não dado, na justificativa ausente… Eu sempre acredito.

Alguns podem dizer que: trouxa. Eu faço uma ressalva sobre isso: sou capaz de acreditar nas possibilidades, nas terceiras chances e que somos humanos, realmente. 

Não sei por que publicizo isso, talvez acredito que alguém que já passou por minha vida e sabe o escorregão que deu, que repense daqui pra frente que… 

Nossas ausências dizem muito mais sobre quem somos, do que nossas presenças.

Por Jê Ernesto.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s